quarta-feira, 20 de abril de 2011

A democracia nos anos 80 e 90 e a preponderância do modelo Neoliberal

Passo a expor meu ponto de vista a cerca da democracia nos anos 80 e 90 e a preponderância do modelo de Estado neoliberal.

Não que eu discorde do modelo do Estado neoliberal, só que fazendo uma análise crítica de todos os modelos de estado pelo qual nos passamos no decorrer da história, Feudal, absolutista, liberal, bem estar comum, entre outros, me vem à pergunta. Por mais que hoje em dia nós vivamos em um mundo globalizado aonde a crise em um determinado país chega ao conhecimento de outro em fração de segundos, o que determina a mudança do Estado no mundo? Quem determinou que por um dado momento da história o modelo de “estado liberal”, depois o do “bem estar social” e agora o modelo “neoliberal”, é o correto para ser implantado em nosso país!
Bem sabemos que o modelo de estado no qual nós vivemos é o que define a forma de governo, afetando diretamente o caminho da solução de problemas.

Por mais que seja extremamente relevante o estudo de forma global dos problemas, fiscais, financeiros, culturais entre outros dos países do mundo, para que possamos desta forma achar o melhor caminho para o nosso, existem peculiaridades intrísecas ao nosso país, ou até mesmo podemos buscar soluções e formas de governo e ate mesmo modelos de estado diferente do modelo norte americano.

O modelo de estado sempre muda com o tempo e o atual sempre parece melhor que o anterior.

É sabido que o Brasil não tem uma tradição democrática, partindo da análise da república brasileira como um todo, contudo, apesar das deficiências foi importante a consolidação democrática que vivemos em nosso país na década de oitenta, e observamos também o predomínio do neoliberalismo na década de noventa.

O Brasil que vinha de décadas anteriores a oitenta, experimentado um conjunto de regimes autoritários, marcados pelo populismo e nacionalização do mercado, enfrentou vários problemas referente à democratização, crise econômica e inflação.

De acordo com o texto de Francisco de Oliveira, “A Dominação Globalizada”, quem faz política, impõe sua agenda de questões, sobre as quais desenrolam os conflitos.

Destacamos neste período que, a adoção de uma agenda de reformas e privatizações se fez em meio às pressões criadas pelo cenário externo do período, em que ocorreu uma aceleração do processo de globalização, ao mesmo tempo, que a volatividade financeira causava um conjunto de crises de liquidez internacional, “financeirização”.

Vinícius Chagas Madureira- Artigo Curso Especialização Gestão Pública- Disciplina Desenvolvimento e Mudanças no Estado Brasileiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário!

Ocorreu um erro neste gadget